A Black Friday, a segurança e a possibilidade de devolução do produto

Muitas empresas, na Black Friday, realmente concedem descontos muito interessantes, em especial as lojas online.

O Brasil ainda está engatinhando quando se fala em e-commerce, porém muitas pessoas – entusiastas como eu –, preferem realizar as compras em ambientes virtuais, tendo em vista o conforto, facilidade de escolha, comparativo de preços e etc.

Ocorre, que mesmo com todas as facilidades, muitas pessoas ainda continuam com receio de utilizar estes ambientes virtuais, sob o argumento da insegurança, além do risco de não ver o produto físico antes da compra.

Dicas rápidas de segurança

Quanto à segurança, é SUPER INDICADO que sejam feitas pesquisas antes de comprar em qualquer site. O Reclame Aqui é uma incrível ferramenta de análise e pesquisa da reputação das lojas e, além desta pesquisa, é muito importante verificar se aquele site tem os certificados de segurança (geralmente identificado pelo “https” – com o S no final).

Sempre verifique o endereço do site. As páginas falsas, com promoções absurdamente chamativas, geralmente imitam grandes sites, mas o endereço não é o correto e erros de português também são comuns.

Dica extra: quando desconfiar de alguma promoção em sites grandes, como magazineluiza.com.br, casasbahia.com.br, dentre outros, faça o seguinte: vá até o google e pesquise por aquela loja. Entre no link correto e pesquise aquele item que está com o desconto e verifique se ele consta no site oficial. Isso é uma medida simples e eficaz.

Por fim, lembrem-se: não existe venda de televisão de 60 polegadas, 8k, ultramegasoft (neologismo puro rsrs) moderna, por R$ 500,00. Isso é indício FORTE de fraude. Faça os caminhos acima e confirme.

Ok. E quanto ao fato de eu não ver o produto físico? O que posso fazer?

Como já mencionado, muita gente não compra pela internet com medo de o produto não ser como a propaganda aponta, ou pior, o produto chegar com defeito estético ou de funcionalidade.

Quanto a este problema, você também pode ficar despreocupado. O Código do Consumidor, em seu art. 49, estabelece que o consumidor pode desistir do contrato, no prazo de 7 dias de sua assinatura ou recebimento do produto/serviço, em caso de compras realizadas fora de estabelecimento comercial, traduzindo para a modernidade: compras realizadas pela internet, porque creio que poucas compras são feitas pelo telefone ou fax hoje em dia rsrs.

E como funciona isso?

Após o recebimento do produto/serviço e ele apresentar defeito ou não haver desistência do contrato, o consumidor precisará entrar em contato com a empresa que realizou a venda para iniciar o procedimento de devolução.

Geralmente, empresas grandes possuem uma área específica de atendimento ao consumidor que é focada em devolução. Nestes setores, os profissionais são orientados a apresentar as opções ao comprador, explicando todos os procedimentos e formas de devolução.

Neste momento ainda não é necessário advogado, Procon, reclame aqui e nada neste sentido. Todos passos devem ser feitos pelo próprio comprador, a fim de que seja resolvido de forma rápida e sem maiores problemas.

Dicas para a boa aplicação do direito do arrependimento:

1º Seja verdadeiro. Não é necessário entrar em contato com a empresa e mentir sobre o produto que recebeu. Se não tem defeito e você somente se arrependeu, informe isso ao vendedor (ou SAC) e peça o cancelamento do contrato. Isso é muito importante para as empresas, pois se você inventar um defeito inexistente, causará um prejuízo desnecessário e prejudicará a análise de dados das marcas fornecedoras.

2º Seja rápido. Parece uma dica boba, mas acontece muito, porque como mencionado, o direito de arrependimento tem o prazo de 7 (sete) dias. Não deixe para entrar em contato com a empresa no último dia, pois você poderá esquecer e depois tentará realizar devoluções fora do prazo. A dica que eu dou é: teste o produto tão logo ele seja entregue.

3º Registre o pedido de devolução. Sim. Talvez essa seja a principal dica: Anote todos os protocolos, faça o pedido de devolução por e-mail, utilize a plataforma oficial da loja ou Market Place para registrar o pedido de cancelamento do contrato, anote o nome do atendente e peça um e-mail com o detalhamento dos procedimentos. Isso tudo é para se precaver de eventual dor de cabeça futura.

4º Preserve a embalagem original, mas não se desespere se você a perder. As empresas não podem obrigar o consumidor a devolver com a embalagem oficial. Já vimos casos em que determinada marca se negou a receber o produto (objeto da desistência do contrato), por não estar com a embalagem original. Isso não é critério. A dica é para tentar manter a original para evitar discussões desnecessárias, mas não é uma regra legal.

5º Não difame a loja/marca nas redes sociais antes de tentar resolver passivamente. Sabemos que as redes sociais são incríveis ferramentas para soluções de problemas. Muitas marcas ficaram conhecidas por solucionar questões específicas de seus consumidores após reclamações feitas por estes canais. Todavia, não utilize essa ferramenta como uma forma de depreciar a marca/loja sem antes tentar resolver da melhor de forma privada.

As redes sociais são muito importantes para as empresas e às vezes o problema que aconteceu com você foi pontual e não é a postura real daquela companhia, porém se isso se tornar viral, poderá manchar e prejudicar uma marca que, muitas vezes, gera milhares de empregos e está lutando para melhorar a experiência dos clientes. Dê o feedback sim, mas tente fazer de modos privados e utilize reclamações públicas somente em último caso.

Com essas dicas básicas, você poderá ter mais segurança e, ainda, saberá como realizar uma devolução eficaz.

Use e abuse dos descontos. O e-commerce está aí para facilitar as nossas vidas. Utilize com atenção e responsabilidade e temos a certeza de que a experiência será boa!

Nos conte: você já passou por algum problema com compras online?

Deixe uma resposta